Sepror realiza visitas técnicas em São Paulo para ampliar modelos de produção rural

Em viagem pela Região Metropolitana de São Paulo, o secretário de Produção Rural do Amazonas (Sepror), José Aparecido, colhe informações técnicas e cientificas para implementar melhorias na produção amazonense de mandioca, laranja, banana, na criação de galinhas e na pecuária.

“São Paulo responde como maior estado exportador de suco de laranja do país e detém 16% da fatia de mercado de aves de corte. O governador Amazonino Mendes determinou que fizéssemos uma busca no país e no mundo de bons exemplos de como ampliar a nossa capacidade de produção. Estamos aprendendo muito e temos certeza que os resultados serão refletidos na nossa economia quando essas parcerias estiverem concretizadas”, esclarece José Aparecido.

Entre as pesquisas visitadas que podem ser implantadas no Amazonas, José Aparecido, destacou a produção de mandioca na Região Metropolitana de São Paulo, que, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia  e Estatística (IBGE), teve uma queda de 12% na colheita esperada para 2017 no país.

“Essa queda na produção de mandioca do país é a oportunidade que o Amazonas tem de se firmar como grande exportador e equilibrar esse déficit em 2018. Estamos buscando transferir essa tecnologia de São Paulo para os nossos produtores do interior. Nosso trabalho é mostrar ao produtor rural que, com amor à causa pública, o nosso estado tem potencial agrícola para ser um grande exportador de farinha de mandioca”, disse José Aparecido.

Equipe técnica – A equipe de trabalho da Secretaria de Estado da Produção Rural do Amazonas (Sepror) em visita às cidade do estado de São Paulo é composta pelo pelo subsecretário adjunto de Políticas Fundiárias, Fernando Vieira; pelo diretor técnico do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam), Luiz do Herval Filho, e pelo chefe do Departamento de Pesca e Aquicultura da Sepror, Jeffson Pereira.

“Estamos em busca de atualizações para o que já sabemos , mas também à procura do que é novo e comprovadamente eficiente no setor produtivo. Vamos investir não apenas em máquinas, mas em conhecimento e principalmente nas pessoas que fazem parte dessa grande cadeia produtiva do Amazonas”, afirmou José Aparecido.